Monthly Archives: janeiro 2018

Patrimônio Mundial de Influência Portuguesa

By | Destaques, História, Ponto de Cultura | No Comments

 

Fruto de um processo histórico de dimensão universal, como foi o da expansão portuguesa iniciada no século XV, os testemunhos materiais e imateriais da ocupação e dominação portuguesa em várias regiões do mundo constituem hoje um patrimônio de reconhecido valor histórico e cultural. Estes testemunhos do passado fazem agora parte da história universal, na medida em que ilustram a construção da modernidade e evocam os primórdios da globalização que atualmente permeia as sociedades.

Qal’at Al-Bahrain (Antigo Porto e Capital de Dilmun), Bahrain

Efetivamente, ainda hoje esta influência é evidente em domínios tão plurais como o traçado urbano, os edifícios existentes, a linguagem, os hábitos e costumes e a devoção religiosa.

A Igreja de Santana é um monumento religioso localizado no distrito de Santana em Goa Velha, no estado indiano de Goa.

Embora o primeiro estabelecimento dos portugueses nestes locais estivesse relacionado com opções estratégicas de ocupação territorial, exploração de recursos naturais ou de evangelização, a sua permanência efetiva permitiu não só a aplicação dos conhecimentos adquiridos, mas também a sua adaptação às realidades locais e à assimilação dos hábitos e soluções autóctones.

Arco dos Vice Reis, Goa

É do processo de adaptação às realidades naturais existentes, bem como da permuta cultural entre portugueses e populações locais que resulta a singularidade do patrimônio cultural de origem portuguesa nos continentes africano, americano e asiático.

Torre de Menagem, Arzila, Marrocos

Outras situações existem em que os testemunhos dessa presença são ténues, traduzindo-se em edifícios isolados, adulterados ou arruinados.

Igreja do Carmo, Olinda, Recife

Muitos destes vestígios foram considerados pela UNESCO como possuidores de “valor universal excecional” e, como tal, classificados como Patrimônio Mundial. Em novembro de 2012 a Lista do Patrimônio Mundial contava já com 26 bens de influência portuguesa, distribuídos por 18 países em 4 continentes, existindo muitos outros nas Listas Indicativas de diversos países.

Mapa de Cantino – 1502

Bens de Influência Portuguesa na Lista do Patrimônio Mundial

(em atualização)

Designação do Bem                                                                     Localização                                                          Ano

Missões Jesuítas dos Guaranis                                                            Argentina, Brasil                                                     1983

Qal’at Al-Bahrain (Antigo Porto e Capital de Dilmun)                   Bahrain                                                                     2005

Centro Histórico de Ouro Preto                                                           Brasil                                                                        1980

Centro Histórico de Olinda                                                                   Brasil                                                                        1982

Centro Histórico de São Salvador                                                       Brasil                                                                         1985

Santuário do Bom Jesus de Congonhas                                             Brasil                                                                        1985

Centro Histórico de São Luís                                                                Brasil                                                                        1997

Centro Histórico de Diamantina                                                          Brasil                                                                        1999

Centro Histórico de Goiás                                                                     Brasil                                                                         2001

Praça de São Francisco, na cidade de São Cristóvão                       Brasil                                                                         2010

Rio de Janeiro, paisagens cariocas entre as montanhas e o mar  Brasil                                                                         2012

Cidade Velha, Centro Histórico de Ribeira Grande                         Cabo Verde                                                              2009

Centro Histórico de Macau                                                          China / Região Administrativa Especial de Macau 2005

Fasil Ghebbi, Região de Gondar                                                          Etiópia                                                                      1979

Forte Jesus, Mombaça                                                                           Quênia                                                                      2011

Ilha Kunta Kinteh e Áreas Relacionadas                                            Gâmbia                                                                    2003

Fortes e Castelos de Volta, de Accra, seus Arredores, e Regiões Central e Oeste               Gana                                1979

Igrejas e Conventos de Goa                                                                   Índia                                                                         1986

Malaca e George Town, Cidades Históricas do Estreito de Malaca       Malásia                                                            2008

Cidade Portuguesa de Mazagão                                                            Marrocos                                                                 2004

Ilha de Moçambique                                                                               Moçambique                                                           1991

Missões Jesuítas da Santíssima Trindade do Paraná e Jesus de Tavarangue    Paraguai                                           1993

Ilha de Goreia                                                                                           Senegal                                                                     1978

Cidade Velha de Galle e suas Fortificações                                        Sri Lanka                                                                  1988

Ruínas de Kilwa Kisiwani e de Songo Mnara                                    Tanzânia                                                                   1981

Bairro Histórico da Cidade de Colónia do Sacramento                   Uruguai                                                                    1995

Centro Histórico de Ouro Preto

Descobertos 7 manuscritos ocultos em manto de Nossa Senhora da Basílica de Mafra

By | Comunidade, Notícias | No Comments

Os sete documentos manuscritos estavam cosidos aos bordados do manto.

Foram descobertos documentos no interior do manto da imagem de Nossa Senhora da Soledade, da Basílica de Mafra, na sequência dos trabalhos de restauro, anunciou a Real e Venerável Irmandade do Santíssimo Sacramento de Mafra (RVISSM).

Surgiram sete documentos manuscritos no interior do manto de seda, bordado a ouro, que reveste a imagem de Nossa Senhora da Soledade, da Basílica de Mafra, imagem que sai por ocasião das cerimônias da Quaresma“, afirma a RVISSM em comunicado enviado à agência Lusa.

Os documentos, presume-se que datem da segunda metade do século XIX, e a sua existência era inteiramente ignorada. Os documentos estão dobrados em quatro partes, e cosidos aos bordados do manto. Por esse motivo se justifica que por fora não se suspeitasse de nada“, adianta a irmandade.

O conteúdo é inteiramente ignorado de momento, pois a decisão da sua retirada ainda não foi definitiva. A leitura será efetuada na basílica, em data a determinar“, segundo a irmandade, que adiantou “suspeitar-se de que possam ser pedidos a Nossa Senhora ou algo do gênero, mas são meras suposições“.

A informação do que possam conter ainda não foi averiguada, pois os trabalhos de conservação do manto ainda decorrem. Porém é evidente que foram ali ocultados por algum motivo particular“, refere a RVISSM.

O número é que torna o achado notável, pois é habitual encontrar inscrições neste tipo de peças, mas sete documentos, e de mãos diferentes, isso sim, torna o caso verdadeiramente notável“.

A imagem, datada de 1773, sai habitualmente na procissão do Senhor Jesus dos Passos, pelas ruas de Mafra, que se realiza no dia 25 de fevereiro, e na procissão do enterro, na Sexta-Feira Santa, que este ano acontecerá a 30 de março.

Segundo a mesma fonte, este ano “a imagem voltará a sair e a exibir o rico manto de seda bordado a ouro“.


por Lusa e Diário de Notícias | 25 de janeiro de 2018

22 de Janeiro de 1808 – A Chegada da Família Real Portuguesa a Salvador

By | Destaques, Eventos, História | No Comments

Como consequência das invasões napoleônicas, a 22 de janeiro de 1808, após passarem longos dias no mar, a Família Real e toda sua comitiva desembarcaram no Brasil, especificamente em Salvador. A chegada da Corte Real a Salvador, foi importantíssima para a transformação econômica e cultural para a sociedade da época.

Ilustração 2 – Chegada de D. João à Bahia, de Cândido Portinari

A Bahia na época de D.João. A chegada da corte portuguesa – 1808 Museu de Arte da Bahia

Fonte:
A Bahia na época de D. João: a chegada da corte portuguesa, 1808 / [textos, Maria José de Souza Andrade, Sylvia Menezes de Athayde ; fotografia, Sergio Benutti]. Salvador : Museu de Arte da Bahia : Solisluna, 2008.
MATHIAS, Herculano (org.). História do Brasil. Rio de Janeiro: Bloch, 1976.

Conferências Ulisses | 2018, no CCB

By | Comunidade | No Comments

 

Democracia Europeia: uma ideia cujo tempo chegou?
Comissário: Rui Tavares, historiador

«Há uma coisa mais forte do que a força de todos os exércitos do mundo: uma ideia cujo tempo chegou.»
Atribuído a Victor Hugo

As Conferências Ulisses destinam-se a fazer de Lisboa uma capital produtora de reflexão que marque a agenda europeia e global de acordo com os valores associados à figura do fundador mítico da cidade: a aventura, a amizade, a errância, a hospitalidade e o diálogo. Questões de direitos humanos, em particular dos refugiados e dos apátridas, questões da globalização e do cosmopolitismo, questões da União Europeia e dos seus estados-membros estarão entre os núcleos temáticos principais das abordagens das Conferências Ulisses. Estas destinar-se-ão a um público misto, especialista e generalista, das artes e das ciências, apenas observador ou participante, contando com oradores consagrados e com jovens entusiastas. Ao contrário de outros ciclos de conferências realizados em solo nacional, a ideia não é trazer para Portugal o pensamento que se faz lá fora, mas irradiar a partir de Portugal pensamento de relevância global. Para garantir que o produto da reflexão criada em torno das Conferências Ulisses não se esgota após o encerramento de cada edição, é nosso objetivo estimular a criação e edição de material escrito ou audiovisual que prolongue a memória da conferência, e criar um concurso de ensaios aberto a jovens que prolongue as reflexões das Conferências Ulisses por novas gerações.

O tema do ano 2018
Para a primeira edição das Conferências Ulisses, propomos para 7 e 8 de abril de 2018 uma conferência internacional sobre «Democracia Europeia: uma ideia cujo tempo chegou?». O tópico justifica-se pelo lançamento em simultâneo de diversos processos de reflexão sobre o futuro da União Europeia: o processo do Livro Branco sobre o futuro da UE, lançado pela Comissão Europeia nas comemorações do Tratado de Roma em março de 2017; o Processo de Bratislava, lançado pelo Conselho Europeu na sequência do referendo do Brexit no Reino Unido; e o processo das «Convenções democráticas da UE», sugerido pelo Presidente de França Emmanuel Macron em discursos recentes em Atenas e Paris, prometido para o primeiro semestre de 2018 e que não parece ter um formato fixo. A realização de uma Conferência Ulisses dedicada ao tema da reforma da União Europeia tem assim a dupla vantagem de permitir uma participação portuguesa num debate que se arrisca a ser feito sem nós, ao mesmo tempo em que se convocam para o debate alguns dos mais importantes intelectuais públicos europeus para dar mais amplitude e ousadia aos processos lançados pelos decisores políticos e pelas instituições comunitárias.
Após mais de dez anos de várias crises — a recusa do Tratado Constitucional Europeu pelos eleitores franceses e holandeses foi em 2005, logo sucedida pela crise financeira em 2007-8, a crise do euro em 2010-11, e a chamada «crise dos refugiados» a partir de 2015 — é chegada a União Europeia a um momento decisivo: com os seus estados-membros, ela é um «clube de democracias», mas só com os seus cidadãos a UE se tornará numa verdadeira Democracia Europeia. Se falhar nesse desígnio, a UE pode muito bem desaproveitar o atual momento de respiração e repensamento e cair de novo numa crise existencial que se arriscaria a ser a sua derradeira.
A questão da criação de uma Democracia Europeia é, no entanto, profundamente difícil. Séculos de filósofos, escritores e visionários, de Erasmo de Roterdão a Kant e a Victor Hugo, sonharam com os fundamentos de uma república europeia, uma federação de estados pacíficos ou uma utopia cosmopolita e, no último caso, uns Estados Unidos da Europa, a tal ideia «mais forte que os exércitos» no momento em que «o seu tempo» tivesse chegado. Mas o que é uma democracia? Quando sabemos que deixámos de ser uma democracia ou que passámos a ser uma? Ou será impossível, como afirmam alguns, construir uma democracia para lá das fronteiras do estado-nação? Se há momento para fazer essa discussão que pode salvar o projeto europeu, é agora, após dois anos em que a vaga nacional-populista parecia ir submergir qualquer esperança de cooperação internacional e em que uma contra-vaga em França e na Alemanha pareceu deixar todos os europeus à espera de uma reforma e na disposição de dar mais uma oportunidade à UE. Essa oportunidade teremos de ser nós, os cidadãos europeus e de todo o mundo preocupados com a causa da paz e dos direitos humanos e empenhados em entender e moldar o processo de globalização para corrigir os seus vícios e injustiças.

A estrutura
Os dois dias de debates serão organizados de forma a permitir a interação entre os especialistas ou oradores consagrados e o público generalista ou os jovens entusiastas. Em cada um dos dois dias, duas sessões plenárias num auditório grande, onde será dada palavra a alguns dos pensadores nacionais e estrangeiros que mais têm refletido sobre o projeto europeu, acompanhados pela intervenção de artistas, escritores ou políticos que resgatem a discussão do risco de se tornar demasiado técnica. Intercalando as sessões plenárias, teremos mesas redondas centradas principalmente na participação jovem, e em que os especialistas e convidados estrangeiros terão principalmente um papel de catalisadores do debate. Os jovens que participam nestas mesas redondas serão escolhidos através de um concurso de ensaios curtos a realizar entre janeiro e março de 2018, e deles será também a missão de atuarem como relatores das sessões plenárias e prepararem uma publicação (em jornal e/ou website) com as conclusões da conferência, a lançar um mês depois da realização desta, no Dia da Europa, a 9 de maio de 2018. Do trabalho realizado nas sessões plenárias sairá o esboço de uma Carta 2020 com os vinte exemplos de bens públicos que a UE deverá garantir até ao fim da década de 2020 (nos domínios dos direitos cívicos e políticos, sociais, ambientais e econômicos).

+ Programação | 7 abril
14:30 – 16:30 – 1.º Painel. Democracia – Grande Auditório

17:30 – 19:00 – Mesas Redondas – Sala Luís de Freitas Branco | Sala Maria Helena Vieira da Silva | Sala Almada Negreiros | Sala Sophia de Mello Breyner Andresen

21:00 – 23:00 – 2.º Painel. Economia e Sociedade – Grande Auditório

+ Programação | 8 abril
10:30 – 12:30 – 3.º Painel. Direitos Humanos e Ambientais – Grande Auditório

14:00 – 15:30 – Mesas Redondas – Sala Luís de Freitas Branco | Sala Maria Helena Vieira da Silva | Sala Almada Negreiros | Sala Sophia de Mello Breyner Andresen

16:00 – 18:00 – 4.º Painel. O Futuro da Europa – Grande Auditório

+ Concurso Jovem
Escreve o teu futuro – Seleção de jovens para participar na Conferência Ulisses 2018
Democracia Europeia: uma ideia cujo tempo chegou?

Victor Hugo disse uma vez «há uma força mais forte do que a força de todos os exércitos do mundo: é a força de uma ideia cujo tempo chegou.» O desafio que te lançamos é este. Dá-nos a tua ideia cujo tempo chegou. No quadro da Conferência Ulisses 2018 sobre democracia europeia, 15 a 25 jovens serão selecionados através de um concurso de ensaios escritos ou gravados para ajudar a moldar o debate sobre a Europa e o seu futuro no mundo.

Os jovens participantes neste concurso terão um papel ativo no desenrolar das discussões e na redação de um jornal sobre as consequências da conferência no dia da Europa, 9 de maio de 2018. Os ensaios selecionados, em texto, áudio ou vídeo, serão premiados um Cartão CCB Jovem e uma viagem a Bruxelas no segundo trimestre do ano de três dias para visita às instituições europeias, com deslocação e estadia pagas.

Para concorrer, inscreve-te em https://www.ccb.pt/Default/pt/ConferenciaUlisses2018. Este concurso está aberto para jovens residentes em território nacional, entre os 16 e 30 anos, portugueses ou não. Os ensaios escritos devem ter o tamanho máximo de 2018 palavras ou uma duração que não pode superar os 2:18 minutos no formato vídeo ou áudio. O ensaio, que pode ser redigido ou gravado em português ou inglês, e o formulário de candidatura inteiramente preenchido devem ser submetidos até ao final do dia 18 de março.

De entre os ensaios enviados escolheremos a melhor seleção de qualidade e diversidade que for possível. Se necessário tentaremos equilibrar essa escolha em termos de género, residência e área de estudos ou de trabalho, na intenção de obter um grupo plural e de qualidade. Será garantida a estadia e o reembolso dos custos de deslocação dos participantes selecionados oriundos de fora da Área Metropolitana de Lisboa.

Os ensaios que não forem escolhidos serão preservados e os seus autores poderão vir a ser convidados mais tarde para outras iniciativas semelhantes. Serão também convidados a participar na Conferência Ulisses 2018 e na redação das conclusões da conferência.

Os resultados serão divulgados até 28 de março. Mais informações ou esclarecimentos em www.ccb.pt ou através de conferenciaulisses18@ccb.pt

 

2018 – CURSO DE GRAMÁTICA E REDAÇÃO

By | Agenda, Cursos | No Comments

2018

CURSO DE GRAMÁTICA E REDAÇÃO

CARGA HORÁRIA: 50 horas

TURMAS:   SEXTA – 14:00 AS 17:00 Início previsto 02/03/2018

SÁBADO – 08:00 AS 11:00 Início previsto 03/03/2018

 

 

Prof. Dr. Thiago Martins Prado (Dr. em Estudo de Teorias e Representações Literárias e Culturais)

Turmas de, no mínimo, 30 alunos e, no máximo, de 50 alunos.

 

 

OBJETIVOS:
a) Compreender fenômenos linguísticos;
b) fornecer subsídios para a compreensão textual, articulando questões da gramática normativa com interpretações da crítica cultural;
c) produzir textos de acordo com a convenção ortográfica e regras de pontuação vigentes a partir de discussões de textos informativos contemporâneos.

 

MÉTODOS UTILIZADOS:
Aulas expositivas e participativas.
Estudo dirigido e prática de escrita.

 

     CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

I – Aspectos da gramática normativa ortografia, acentuação gráfica (atualizadas com o novo acordo ortográfico); crase, uso dos porquês e pontuação; noções de sintaxe: processos de subordinação e coordenação, tipos oracionais, análise sintática; noções de morfossintaxe: classes de palavras (substantivo, adjetivo, artigo, pronome, numeral, verbo, advérbio, preposição, conjunção e interjeição), concordância e regência verbais e nominais.

II – Organização e interpretação textuais; interpretação de textos poéticos e narrativos; debate de temas destacados pela imprensa atual; argumentação de forma clara, coesa e coerente segundo padrão dissertativo; indicações de aspectos vocabulares e estilísticos para a prática redatora.

 

INVESTIMENTO: PAGAMENTO À VISTA EM VALOR ÚNICO = R$ 430,00

Ou em 3 VEZES – 1ª parcela de R$ 190,00 no ato da matrícula mais 2(duas) de

R$ 150,00 cada com vencimento a 30 e 60 dias com total = R$ 490,00 no Cartão

 

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA MATRÍCULA

RG e CPF.

Certificado ao final do curso, com frequência mínima de 75% das aulas.

MATRÍCULAS A PARTIR DA SEGUNDA SEMANA DE JANEIRO DE  2018.

DE SEGUNDA A SEXTA das 8:00 às 12:00 e das 13:00 às 17:00h, na recepção do GPL.

 

Gabinete Português de Leitura- BAHIA www.gplsalvador.org

tel: + 5571 3329- 2733