5 de maio: Dia da Língua Portuguesa e da Cultura na C.P.L.P.

5 de maio de 2019 Apoio a formação

História da Língua Portuguesa

Além de Portugal, o português é a língua oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Também, é uma das línguas oficiais da região administrativa especial chinesa de Macau (ao lado do chinês) e de várias organizações internacionais, como o Mercosul, Organização dos Estados Ibero-Americanos, União de Nações Sul-Americanas, Organização dos Estados Americanos, União Africana, União Europeia, e da Organização das Nações Unidas, sendo a primeira língua falado por mais de 250 milhões de pessoas.

Há também significativas comunidades de imigrantes falantes do português em muitos Países, como Andorra, Austrália, Bermuda, Canadá, Curaçao, França, Japão, Jersey, Luxemburgo, Namíbia, Paraguai, África do Sul, Suíça, Venezuela e Estados Unidos. Em algumas partes do que era a Índia Portuguesa, como Goa e Damão e Diu, o português ainda é falado, embora esteja em vias de desaparecimento. Também foi utilizada como língua franca exclusiva na Ilha do Sri Lanka (antigo Ceilão) por quase 350 anos. Durante esse tempo, muitas línguas crioulas baseadas no português também apareceram em todo o mundo, especialmente na África, na Ásia e no Caribe.

Mas, qual é a origem da 5ª língua mais falada no Planeta Terra?
Apesar de ter tido influências muito próprias, a Língua Portuguesa tem origem no Indo-Europeu, tal como quase todos os outros idiomas falados na Europa e na Ásia (exceto o árabe, o chinês, o japonês e alguns idiomas do sudoeste asiático), por mais distintos que nos pareçam.

Há muito tempo, o Indo-europeu dividiu-se em 2 grandes ramos: de um lado evoluíram (por exemplo) as línguas faladas na Índia e na Pérsia, do outro, as línguas faladas na Europa. Já no ramo europeu, novas ramificações surgiram, nascendo assim as variantes germânica, latina e eslava. Para além destas, surgiram ainda outros pequenos ramos, como o grego, o armênio, o albanês e o céltico.

Como o processo de formação de uma língua, é lento, gradual, e alimentado por imensas influências sociológicas que vão desde a geografia, clima, passando por invasões militares e culturais, o seu resultado é igual a qualquer outro “ser vivo”: é único!

O português arcaico [português antigo] surgiu entre o que é hoje, o território da Galiza (região da Espanha que fica a norte de Portugal) e o norte de Portugal, e deriva – na maior parte – do latim vulgar (o latim falado popularmente, sem regras escritas e gramaticais definidas), com influências de outras línguas de outros povos que, até então, tinham passado por ali.

Após a queda do Império Romano, coincidindo com as invasões bárbaras no século V, emergiu a sua segunda fase de diferenciação em relação às outras línguas românicas.

A partir de 711, com a invasão islâmica da Península Ibérica, o árabe tornou-se a língua de administração das áreas conquistadas. Contudo, a população continuou a usar as suas falas românicas populares, o moçárabe. A influência árabe na língua, foi relativamente pequena. O seu efeito principal foi no léxico, com a introdução de cerca de mil palavras.

Com a reconquista dos reinos Ibéricos aos mouros, formaram-se pequenos reinos independentes. O Reino de Portugal separou-se, assim, do Reino de Castela e, logicamente, da sua irmã e vizinha Galiza. Isto fez com que o idioma, tivesse começado a dividir-se em dois: português para um lado e galego para o outro. Hoje em dia, é difícil imaginar como numa pequena região que incluía apenas o norte de Portugal e a Galiza possam ter surgido 2 idiomas diferentes. Para perceber como isto aconteceu, basta entender que, à época, as comunicações e as estradas eram muito rudimentares, provocando – naturalmente – o isolamento das populações.

O primeiro grande passo para o nascimento oficial da Língua Portuguesa, surgiu com o testamento do Rei D. Afonso II, em 1214 [algumas décadas após a independência de Portugal], mas, o português, só passou a ser adotado como língua oficial do Reino de Portugal, em 1297, no reinado de D. Dinis.

A partir dos séculos XV e XVI, quando Portugal iniciou a sua aventura marítima global, a Língua Portuguesa espalhou-se pelo mundo e chegou a todos os continentes. Durante esta época, o português era considerado como sendo a Língua Franca, ou seja, uma espécie de idioma universal utilizado para comunicar entre pessoas de idiomas diferentes, tal como acontece hoje com a Língua Inglesa. Por este motivo, há muitas outras línguas que têm incorporado no seu léxico, adaptações populares da língua portuguesa, como por exemplo:

Língua na língua Em português
indonésio sekolah escola
inglês caste casta
japonês bateren padre
konkani (Índia) zonel janela
malaio bendera bandeira
suaíle (Quénia; Uganda…) mesa mesa
tetum (Timor) paun pão

Como é uma língua falada por imensas realidades distintas, atualmente, a Língua Portuguesa também incorporou ao seu léxico, palavras de outras origens, tais como, asiática, africana e tupi:

Língua Na língua Em português
Algonquiano (Canadá) moccasin mocassim
árabe shiikh xeque
aramaico abba abade
balti (Índia) polo polo (hipismo)
cantonês (China) shî-yaū soja
cingalês (Sri Lanka) toramalli turmalina
guguyimidjir (Austrália) gaNurru canguru
inuíte (Canadá) qajaq caiaque
cantonês (China) cha chá
mongol (China) orda horda
náuatle (Asteca / México) tomatl tomate
tâmil (Mianmar) kattu-maram catamarã
tonganês (Polinésia) ta-bu tabu
tupi (Brasil) jaguara jaguar
uólofe (Senegal/Gâmbia) banana banana

Súmula elaborada por António Pinho da Cunha