Categoria: Ponto de Cultura

Patrimônio Mundial de Influência Portuguesa

By | Destaques, História, Ponto de Cultura | No Comments

 

Fruto de um processo histórico de dimensão universal, como foi o da expansão portuguesa iniciada no século XV, os testemunhos materiais e imateriais da ocupação e dominação portuguesa em várias regiões do mundo constituem hoje um patrimônio de reconhecido valor histórico e cultural. Estes testemunhos do passado fazem agora parte da história universal, na medida em que ilustram a construção da modernidade e evocam os primórdios da globalização que atualmente permeia as sociedades.

Qal’at Al-Bahrain (Antigo Porto e Capital de Dilmun), Bahrain

Efetivamente, ainda hoje esta influência é evidente em domínios tão plurais como o traçado urbano, os edifícios existentes, a linguagem, os hábitos e costumes e a devoção religiosa.

A Igreja de Santana é um monumento religioso localizado no distrito de Santana em Goa Velha, no estado indiano de Goa.

Embora o primeiro estabelecimento dos portugueses nestes locais estivesse relacionado com opções estratégicas de ocupação territorial, exploração de recursos naturais ou de evangelização, a sua permanência efetiva permitiu não só a aplicação dos conhecimentos adquiridos, mas também a sua adaptação às realidades locais e à assimilação dos hábitos e soluções autóctones.

Arco dos Vice Reis, Goa

É do processo de adaptação às realidades naturais existentes, bem como da permuta cultural entre portugueses e populações locais que resulta a singularidade do patrimônio cultural de origem portuguesa nos continentes africano, americano e asiático.

Torre de Menagem, Arzila, Marrocos

Outras situações existem em que os testemunhos dessa presença são ténues, traduzindo-se em edifícios isolados, adulterados ou arruinados.

Igreja do Carmo, Olinda, Recife

Muitos destes vestígios foram considerados pela UNESCO como possuidores de “valor universal excecional” e, como tal, classificados como Patrimônio Mundial. Em novembro de 2012 a Lista do Patrimônio Mundial contava já com 26 bens de influência portuguesa, distribuídos por 18 países em 4 continentes, existindo muitos outros nas Listas Indicativas de diversos países.

Mapa de Cantino – 1502

Bens de Influência Portuguesa na Lista do Patrimônio Mundial

(em atualização)

Designação do Bem                                                                     Localização                                                          Ano

Missões Jesuítas dos Guaranis                                                            Argentina, Brasil                                                     1983

Qal’at Al-Bahrain (Antigo Porto e Capital de Dilmun)                   Bahrain                                                                     2005

Centro Histórico de Ouro Preto                                                           Brasil                                                                        1980

Centro Histórico de Olinda                                                                   Brasil                                                                        1982

Centro Histórico de São Salvador                                                       Brasil                                                                         1985

Santuário do Bom Jesus de Congonhas                                             Brasil                                                                        1985

Centro Histórico de São Luís                                                                Brasil                                                                        1997

Centro Histórico de Diamantina                                                          Brasil                                                                        1999

Centro Histórico de Goiás                                                                     Brasil                                                                         2001

Praça de São Francisco, na cidade de São Cristóvão                       Brasil                                                                         2010

Rio de Janeiro, paisagens cariocas entre as montanhas e o mar  Brasil                                                                         2012

Cidade Velha, Centro Histórico de Ribeira Grande                         Cabo Verde                                                              2009

Centro Histórico de Macau                                                          China / Região Administrativa Especial de Macau 2005

Fasil Ghebbi, Região de Gondar                                                          Etiópia                                                                      1979

Forte Jesus, Mombaça                                                                           Quênia                                                                      2011

Ilha Kunta Kinteh e Áreas Relacionadas                                            Gâmbia                                                                    2003

Fortes e Castelos de Volta, de Accra, seus Arredores, e Regiões Central e Oeste               Gana                                1979

Igrejas e Conventos de Goa                                                                   Índia                                                                         1986

Malaca e George Town, Cidades Históricas do Estreito de Malaca       Malásia                                                            2008

Cidade Portuguesa de Mazagão                                                            Marrocos                                                                 2004

Ilha de Moçambique                                                                               Moçambique                                                           1991

Missões Jesuítas da Santíssima Trindade do Paraná e Jesus de Tavarangue    Paraguai                                           1993

Ilha de Goreia                                                                                           Senegal                                                                     1978

Cidade Velha de Galle e suas Fortificações                                        Sri Lanka                                                                  1988

Ruínas de Kilwa Kisiwani e de Songo Mnara                                    Tanzânia                                                                   1981

Bairro Histórico da Cidade de Colónia do Sacramento                   Uruguai                                                                    1995

Centro Histórico de Ouro Preto

“Auto da Barca do Inferno”, de Gil Vicente no GPL a 8 e 9 de novembro

By | Agenda, Ponto de Cultura | No Comments

Num ancoradouro, dois barqueiros, um Anjo e um Diabo, aguardam passageiros que viajam para o outro mundo. Este é o pano de fundo para o quadro que Gil Vicente, dramaturgo da corte portuguesa no século XVI, vai desenhar da sociedade de então.

O Auto da Barca do Inferno e o Inferno anônimo (c. 1515) do Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa, Portugal

Representado pela primeira vez em 1517, O “Auto da Barca do Inferno”, tem como ação o julgamento num cais, onde os juízes, um Anjo e um Diabo, discutem quem entrará na barca de cada um, condenando os seus passageiros à viagem para o Céu ou para o Inferno.

Por lá passa a representação de toda a sociedade portuguesa da época; desde o Fidalgo ao Parvo, figura recorrente da obra de Gil Vicente e, no final, o Diabo é quem leva mais passageiros na barca.

“Mestre de Retórica de Representação”, Gil Vicente foi contemporâneo dos Descobrimentos mas, ao contrário de Camões, que exaltou os feitos portugueses, fez antes uma crítica mordaz, na caricatura que construiu da sociedade portuguesa de então.

Dramaturgo na corte, onde viveu cerca de 35 anos, foi o homem de confiança da Rainha D.ª Leonor e, para além de escrever e encenar as suas peças, organizava também as Festas Reais.

Homem dos “sete ofícios”, julga-se que foi também ourives e Procurador dos Mistérios na Câmara de Lisboa. Gil Vicente foi consensualmente considerado o “pai” do Teatro português.

Valter Hugo Mãe (14/07/2017) Curso de Narrativa Portuguesa Contemporânea

By | Eventos, Notícias, Ponto de Cultura | No Comments

José Saramago (1922-2010) definiu Valter Hugo Mãe como um “tsunami linguístico”.

Valter Hugo, nasceu em Angola, mas desde criança que se encontra radicado em Portugal.

31477853c20b661ad8003dc53e306d58

Publicou quatro livros sem nenhuma letra maiúscula – a “tetralogia das minúsculas” -, lançados entre 2004 e 2010. Nesse período, assinava valter hugo mãe – assim mesmo, em minúsculas, em sinal de humildade literária.

Contar com o elogio de Saramago, já por si, parece ser suficiente para credenciar este escritor como um dos expoentes da nova literatura portuguesa. Mas, além daquele elogio, recebeu outros prêmios importantes, tais como: Saramago (2007) e Portugal Telecom (2012) -, Mãe ainda conta a admiração do público e da crítica.

Os seus livros são uma reflexão sobre a linguagem, a memória, a morte, a solidão e, é claro, Portugal. “A melhor coisa que os portugueses fizeram foi o Brasil”, afirmou.

Com exceção de um ou outro nome  popularizado pelos meios de comunicação, como o do único ganhador do prêmio Nobel em língua portuguesa, José Saramago, a narrativa portuguesa contemporânea é tão desconhecida no Brasil quanto a poesia. E se há só um ganhador de Nobel em Portugal — e nenhum no Brasil nem na África de língua portuguesa –, o fato se dá muito mais pelos mistérios insondáveis que definem os escolhidos que a falta de candidatos à altura, pois, nas pegadas deixadas por um Camilo e um Eça, a narrativa portuguesa só fez avançar em qualidade, quantidade e diversidade de autores, alguns deles produzindo obras primas de caráter universal, conhecidos e lidos ao redor do mundo. Trazer parte desses nomes ao público baiano, de modo a contribuir no estabelecimento de pontes culturais entre  usuários de uma mesma língua,  através de aulas ministradas por professores das mais renomadas universidades brasileiras, nas quais serão discutidos seus textos, completos ou em fragmentos, mas sempre visando a obra literária, é o objetivo desse curso sobre a narrativa portuguesa contemporânea.

ESTAMOS DE VOLTA !!!!!!!!

Queremos reencontrá-los para falar do Vergílio Ferreira, Miguel Torga, Augusto Abelaira, Lobo Antunes, Lídia Jorge, José Cardoso Pires, Mário Cláudio, Teolinda Gersão, José Saramago, Alves Redol…

Para esse grande encontro, façam suas inscrições. O curso é gratuito.

Miguel Torga (07/07/2017) Curso de Narrativa Portuguesa Contemporânea

By | Eventos, Notícias, Ponto de Cultura | No Comments

O português Miguel Torga (1907-1995) foi um escritor e um dos mais importantes poetas do século XX. Destacou-se também como contista, ensaísta, romancista e dramaturgo, deixando mais de 50 obras publicadas.

Miguel Torga (1907-1995), pseudônimo de Adolfo Correia da Rocha, nasceu em São Martinho de Anta, Vila Real, norte de PortugMiguelal, no dia 12 de agosto de 1907. De família humilde, com 10 anos foi para a cidade do Porto trabalhar na casa de outros familiares.

Foi porteiro, moço de recados, regava o jardim, limpava a escadaria etc. Em 1918 foi mandado para o seminário religioso de Lamego, onde estudou Português, Geografia e História, Latim e os textos sagrados. Depois de um ano decidiu que não queria ser padre.

Em 1920, Miguel chegou ao Brasil para trabalhar na fazenda de café (propriedade de um tio) em Minas Gerais. Após quatro anos foi matriculado no Ginásio em Leopoldina.

Em 1925 regressou a Portugal acompanhado do tio, que percebendo a inteligência do sobrinho se prontificou a custear seus estudos em Coimbra. Durante três anos cursou o Liceu e em 1928 matricula-se na Faculdade de Medicina.

Inicia sua vida literária e publica seus primeiros livros de poemas, “Ansiedade” (1928), “Rampa” (1930), “Tributo” (1931) e “Abismo” (1932). Em 1933 conclui a licenciatura.

Começou a exercer a profissão em sua terra natal. Em 1934, publica “A Terceira Voz”, quando passa a usar o pseudônimo que o imortalizou. Escreveu uma vasta obra, em poesia, prosa, romance e teatro. Miguel Torga evitava agitação e publicidade, mantinha-se longe de movimentos políticos e literários, não dava autógrafos ou dedicatórias e não oferecia livros a ninguém, para que o leitor fosse livre para escolher. Sua obra reflete as apreensões, esperanças e angústias de seu tempo, traduz sua rebeldia contra as injustiças e sua revolta diante dos abusos do poder.

Miguel Torga teve seus livros traduzidos para diversas línguas. Foi por várias vezes candidato ao Prêmio Nobel de Literatura. Recebeu vários prêmios, entre eles, Prêmio do Diário de Notícias (1969), Prêmio Internacional de Poesia de Knokke-Heist (1976), Prêmio Montaigne da Fundação Alemã F.V.S. (1981), Prêmio Camões (1989), Prêmio Personalidade do Ano (1991), Prêmio Vida Literária da Associação Portuguesa de Escritores (1992) e o Prêmio da Crítica, consagrando a sua obra (1993).

Miguel Torga faleceu em Coimbra, Portugal no dia 17 de janeiro de 1995.

Com exceção de um ou outro nome  popularizado pelos meios de comunicação, como o do único ganhador do prêmio Nobel em língua portuguesa, José Saramago, a narrativa portuguesa contemporânea é tão desconhecida no Brasil quanto a poesia. E se há só um ganhador de Nobel em Portugal — e nenhum no Brasil nem na África de língua portuguesa –, o fato se dá muito mais pelos mistérios insondáveis que definem os escolhidos que a falta de candidatos à altura, pois, nas pegadas deixadas por um Camilo e um Eça, a narrativa portuguesa só fez avançar em qualidade, quantidade e diversidade de autores, alguns deles produzindo obras primas de caráter universal, conhecidos e lidos ao redor do mundo. Trazer parte desses nomes ao público baiano, de modo a contribuir no estabelecimento de pontes culturais entre  usuários de uma mesma língua,  através de aulas ministradas por professores das mais renomadas universidades brasileiras, nas quais serão discutidos seus textos, completos ou em fragmentos, mas sempre visando a obra literária, é o objetivo desse curso sobre a narrativa portuguesa contemporânea.

ESTAMOS DE VOLTA !!!!!!!!

Queremos reencontrá-los para falar do Vergílio Ferreira, Miguel Torga, Augusto Abelaira, Lobo Antunes, Lídia Jorge, José Cardoso Pires, Mário Cláudio, Teolinda Gersão, José Saramago, Alves Redol…

Para esse grande encontro, façam suas inscrições. O curso é gratuito.

Manuel da Fonseca CURSO NARRATIVA PORTUGUESA CONTEMPORÂNEA

By | Álbum, Notícias, Ponto de Cultura | No Comments

No passado dia 19/05/2017, a Biblioteca Infante Dom Henrique, foi o palco escolhido para albergar o Curso de Narrativa Portuguesa Contemporânea, ministrado pelo Dr. Francisco Lima.

O dito curso, é parte integrante de uma série de eventos culturais que estão a decorrer no Gabinete Português de Leitura, com a envolvência direta desta entidade, mas coordenado pelo Projeto Cultura e Literatura no Gabinete, cuja excelentíssima gestão está a cargo das Digníssimas Maria Cristina Ribas Sousa e Rita Coelho Aparecida

O evento nesta reportagem, teve como alvo, o autor português Manuel da Fonseca

A reportagem fotográfica completa, pode ser obtida a partir daqui

José Saramago, no Curso Narrativa Portuguesa Contemporânea

By | Álbum, Notícias, Ponto de Cultura | No Comments

No passado dia 26/05/2017, a Biblioteca Infante Dom Henrique, foi mais uma vez, o local escolhido para albergar o Curso de Narrativa Portuguesa Contemporânea, desta vez, ministrado pelo Dr. Antonio Nery.

O dito curso, é parte integrante de uma série de eventos culturais que estão a decorrer no Gabinete Português de Leitura, com a envolvência direta desta entidade, coordenado pelo Projeto Cultura e Literatura no Gabinete.

O evento homenageou José Saramago

A reportagem fotográfica completa, pode ser obtida a partir daqui

Mário Cláudio, no Curso Narrativa Portuguesa Contemporânea

By | Álbum, Notícias, Ponto de Cultura | No Comments

No passado dia 02/06/2017, o Gabinete Português de Leitura, albergou – mais uma vez – o Curso de Narrativa Portuguesa Contemporânea, desta vez, ministrado pelo Dra Rita Coelho Santos.

O dito curso, é parte integrante de uma série de eventos culturais que estão a decorrer no Gabinete Português de Leitura, com a envolvência direta desta entidade, coordenado pelo Projeto Cultura e Literatura no Gabinete.

O evento, desta vez, incidiu sobre o escritor Mário Cláudio

A reportagem fotográfica completa, pode ser obtida a partir daqui