All posts by António Cunha

Inscrições abertas para o Curso Lições de Língua Iorubá-Nagô para iniciantes

By | Apoio a formação, Cursos, Parcerias | No Comments

O professor Adelson Silva de Brito irá ministrar a partir do Gabinete Português de Leitura da Bahia – com o apoio do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia – o curso “Lições de Língua Iorubá-Nagô para Iniciantes”, que acontece entre os dias 24 de setembro a 22 de outubro, com aulas semanais no formato on-line e carga horária de 20 (vinte) horas, com direito a certificação.

O investimento para participar é de R$ 100 (cem reais) e a inscrição pode ser feita nas plataformas Sympla e Eventbrite.

Além de demonstrar que a língua Nagô falada no Candomblé é, em verdade, uma língua conversacional, como o inglês, o francês, o português, etc., e que, por conta da diáspora, é  falada por cerca de 35 milhões de pessoas em alguns países da Costa Ocidental da África e nas Américas, inclusive no Brasil; o Curso tem também como um dos principais objetivos demonstrar a existência de uma estrutura formal léxica e sintática na língua Iorubá-Nagô falada todos os dias nas Casas de Candomblé de Queto ou Candomblé Nagô e nas práticas litúrgicas das religiões de matriz africana relacionadas com essas tradições afro religiosas.

Por isso, durante as aulas, serão abordados a conversação regular do dia-a-dia em língua Iorubá-Nagô e aspectos culturais comuns aos povos Iorubá na Nigéria e na diáspora africana, além da estrutura da língua nos seus processos fundamentais de comunicação (pronomes, verbos, preposições) e a língua falada no dia a dia como instrumento de interação social e cultural, entre os indivíduos.

O curso será ministrado pelo professor Adelson Silva de Brito, Mestre em Saúde, Ambiente e Trabalho; Licenciado em Física; Pesquisador no campo das desintegrações nucleares naturais; Professor de Língua e Cultura Iorubá na Casa da Nigéria, e de Língua e Cultura Iorubá no Centro de Cidadania – CECI do Departamento de Direito da UNIFACS, dentre outras instituições de ensino. Atualmente, as suas funções religiosas na Tradição de Matriz Africana Jeje-Nagô, no cargo de Mawó (Ministro de Grande Confiança e Embaixador entre as Culturas Jeje e Nagô) tem se tornado o foco da sua atuação. As pesquisas sobre os Rituais da Liturgia Jeje, estão conduzindo o seu projeto de doutorado para a área da Antropologia e da Etnografia da Cultura Religiosa Jeje na Bahia.

SAIBA MAIS:

Em setembro de 2019, um projeto de lei proposto pelo ex-prefeito de Salvador, Edvaldo Brito, e que torna a Língua Iorubá um patrimônio imaterial de Salvador (a cidade mais negra do mundo fora do continente africano), foi aprovado por unanimidade no plenário da Câmara Municipal.

A língua Iorubá-Nagô é falada em vários países do mundo, como Brasil, em Cuba, Togo, Costa do Marfim, Venezuela, Trinidad-Tobago, no Sul dos Estados Unidos, no Togo.

Os Iorubas são um grupo étnico da África Ocidental.

No mundo todo, eles somam cerca de 45 milhões de indivíduos dos quais 35 milhões vivem na Nigéria. Eles constituem cerca de 20% da população daquele país, junto com outras etnias, dentre as quais estão: Akan, Hausá-Fulani, e Igbo, os Iorubas formam um dos maiores grupos étnicos na África.

Os Iorubás são uma metaetinia, um guarda-chuva étnico que abriga várias sub-etnias, tais como: os Kétu, Òyó, Ìjèṣà, Ifè, Ifòn, Ègbà, Èfòn etc. Esses deram origem, na diáspora, à religião dos Òrìṣà. Todos falam línguas mutuamente inteligíveis identificadas como uma grande e única língua: a Língua Ioruba.

PROGRAMAÇÃO

Ẹ̀kọ́ kìnní/Primeira Lição

ÀWỌN ỌMỌ ODUDUWA/OS FILHOS DE ODUDUA

Àwọn ọmọ Yorùbá wá de ni Amẹ́rikà/ A chegada dos Iorubas à América.

ABD, Álífábẹ́ẹ̀tì Yorùbá/ABD, o Alfabeto Iorubá.

Àwọn Fáwẹ̀lì Yorùbá/ As vogais Iorubá

Awọ̀n kọ́ńsónàǹtì Yorùbá/ As consoantes Iorubá

Ìyàtọ̀ láàárín Álífábẹ́ẹ̀tì Yorùbá àti ti Gẹ̀ẹ́sì.

Ìró ohùn ni òpó èdè Yorùbá/ O tom é o pilar da língua Iorubá.

Ìlànà fún pípe Álífábẹ́ẹ̀tì Yorùbá/ Orientação para a pronúncia das letras do Alfabeto Iorubá.

 Ètò ọ̀rọ̀ ni a ń pè ni Mọfọ́lọ́jì/Estrutura das palavras ou Morfologia

Jẹ́ ki a sọ Yorùbá / Vamos falar Iorubá

Isọ̀rọ̀ngbèsì / Diálogo

Àwọn ọ̀rọ̀ / vocabulário

Àwọn lẹ́tà tí ó máa ńsábà /As letras usualmente difíceis

Àwọn ọ̀rọ̀ ti o tọka si eniyan ibi tabi nkan (àwọn ọrọ) / Palavras relacionadas a gente, ou coisas (substantivos)

Ẹ̀kọ́ keji/ Segunda Lição

ÌKÍNI TABI KIKI NI J ÀŞÀ PÀTAKI NINU ÀWỌN YORÙBÁ / A SAUDAÇÃO OU CUMPRIMENTO É UMA TRADIÇÃO IMPORTANTE PARA OS IORUBÁ

Ẹ jẹ́ ki a bẹ̀rẹ̀ lò Yorùbá!!! /Vamos começar a usar o Iorubá

O Kíkí àwn àgbà àti ni tí ó junilọ /Cumprimentando as pessoas idosas e aquelas mais velhas do que você

Òǹkà Yorùbá/Contagem em Iorubá

Ìkíni láàrin ọjọ́ / As saudações ao longo do dia

Àwọn Isọ̀rọ̀ngbèsì Apa Kinni/Diálogos: primeira parte

Ṣẹ́gun ń ki bàbá rẹ ni òwúrọ̀ kùtùkùtù/Segun cumprimenta o pai cedo pela manhã

Ọmọbinrin kan ń ki ìyá rẹ nigbati ó ba wọle/A fiha cumprimenta a mãe que chega em casa

Tunde ati Titi ń ki ìyá rẹ ni òwúrọ̀ kùtùkùtù/Tunde e Titi cumprimentam a mãe deles cedo pela manhã

Ṣadé ń ki ọ̀rẹ́ rẹ, Funmi, ni ilé-ìwé ni ọ̀sán/ Sade cumprimenta sua amiga, Funmi, na escola pela tarde

Ọ̀rọ̀ ninu kíláàsì/ Comunicação em Sala de Aula

Ojoojúmọ́ aye/ A vida cotidiana

Ẹ jẹ́ ki n kawé!!!/Vamos ler!!!

Ẹ̀kọ́ kẹta/Terceira Lição

KIKỌ ATI KIKA NI YORÙBÁ/ESCREVENDO E LENDO EM IORUBÁ

Ẹ jẹ ki a gbé èdè àti àṣà Yorùbá Lárugẹ! / Vamos manter a viva a Língua Iorubá!

Àwọn ọ̀rọ̀ tí a fi dípò orúkọ tabi àwọn Alòfò/As palavras usada em substituição ao substantivos, ou seja, pronomes

Atọkun ọ̀rọ̀ /Preposições

Àwngbolohùn ti wúlò fún alákọbẹ̀rẹ̀ / Frases úteis para iniciantes

Kíkí àwn ara ilé / Saudando as pessoas de casa

Orúkọ àwọn ẹranko ni Èdè Yorùbá/ Nomes dos Animais em Iorubá

Kikọ ati kikà ni Yorùbá/Escrevendo e lendo em Iorubá

Ẹ̀kọ́ kẹ́rin/Quarta Lição

ÈDÈ YORÙBÁ: LÒ Ó, BẸ́Ẹ̀ KỌ́ ÌYỌ YÓÒ PÀDÁNÙ RẸ̀/

LÍNGUA IORUBÁ: USE-A, OU ENTÃO, ELA SE PERDERÁ

Òdi ni èdè Yorùbá/Negação em Iorubá

Èdè yorùbá: Lò ó, bẹ́ẹ̀ kọ́ ìyọ yóò pàdánù rẹ̀/Língua Iorubá: use-a ou ela se perderá

Àwọn ìtan ti àwọn ọjọ́ to wà nínu ọsẹ/A história dos dias da semana

Kojoda / O calendário

Jẹ ka sọ Yorùbá!/Vamos falar Iorubá!

Àwọn Isọ̀rọ̀ngbèsì Apa Keji/Diálogo: segunda parte

Ẹbí Adéwálé náà/ A Familia de Adewale

Aṣọ ni Èdè Yorùbá/ Roupas em língua Iorubá

Iṣẹ́ ṣíṣe/Exercícios

Ẹ̀kọ́ karùnún/Quinta Lição

NI ỌJỌ́ ẸTI, ỌJỌ́ KARUN TI A TI BẸ̀RẸ̀ ILÉ-IWÉ NI Ọ̀SẸ̀/ NA SEXTA-FEIRA, QUINTO DIA DA SEMANA DESDE O COMEÇO DA SEMANA ESCOLAR

Òǹkà Yorùbá/Contagem em Iorubá

Awọn ìbèèrè ni Yorùbá/ Fazendo perguntas em Iorubá

Orúkọ mi ni Adébọ́lá/ Meu nome é Adebolá
Wúlò gbolohùn fun alákọbẹ̀rẹ̀ / Frases úteis para iniciantes

Dáhùn àwọn ìbéèrè wọ̀nyí ní ẹ̀kúnrẹ́rẹ́/ Responda as seguintes questões usando formas completas.

Yoruba Ye mi/Eu entendo o Iorubá

Confira os links de inscrição:

Sympla

Eventbrite

In Memorian Branca Gomes

By | Álbum | No Comments

A Direção do Gabinete Português de Leitura da Bahia, vem, através deste, manifestar as suas sentidas condolências pelo desaparecimento da Exma. Senhora Dona Branca Gomes.

Além da manifestação pública do nosso pesar, pretendemos também homenagear a importância do legado desta prestigiada ceramista, tão evidente em obras expostas em diversos locais, tais como no salão de exposições do Gabinete Português de Leitura da Bahia.

À família e amigos de Branca Gomes apresentamos os nossos profundos sentimentos.

Gabinete Português de Leitura da Bahia

Comemorações do 10 de junho

By | Comunidade, Eventos | No Comments

O Gabinete associou-se às comemorações virtuais do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.

Por iniciativa do *“Encontro LUSÓFONO”*, foram partilhadas algumas histórias, ideias e projetos, como sinônimos do *colorido multicultural da lusofonia*, em homenagem à já referida celebração.

Neste encontro virtual – transmitido via youtube (https://youtu.be/BDmmX97PIX0) – estiveram presentes, entre outros, o Cônsul Geral de Portugal na Bahia, o Gestor dos Fortes de Santa Maria, Forte de São Diogo e Forte de Monte Serrat (Fortes Históricos da 6a. Região Militar – Região Marechal Cantuária), o Presidente do Hospital Português, o Presidente do Gabinete Português de Leitura da Bahia, o Presidente da Casa dos Açores, o Presidente da Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil – Bahia, especialistas, professores universitários, jornalistas, pesquisadores, advogados, arquitetos, empresários, uma cineasta, um procurador, um físico, um engenheiro, e um ativista.

Neste encontro, deu-se a conhecer algumas das instituições portuguesas na Bahia, portugueses em Portugal ou radicados no Brasil, brasileiros com um contributo fenomenal nestas ligações, um ativista angolano dos direitos humanos e alguns amigos dos portugueses e de Portugal.

Estes, partilharam algumas das suas histórias, conhecimentos e sentimentos. Houve sensibilidades e participações distintas, mas – pensamos – foi esse colorido que fez com que a homenagem estivesse imbuída “espírito universal” do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.

Jornalistas do “Público” e da “Visão” no Gabinete

By | Comunidade, Destaques, Iniciativas, Notícias | No Comments

Mariana Correia Pinto e Miguel Carvalho, ambos jornalistas portugueses de dois dos maiores veículos da comunicação escrita portuguesa, escolheram a cidade de Salvador para usufruírem das suas merecidas férias.

Apesar desta viagem ter tido um caráter meramente pessoal, os dois fizeram questão de conhecer as origens do Gabinete Português de Leitura da Bahia, as suas histórias e o seu edifício.

Escutaram com muita atenção e tomaram notas sobre o que tínhamos para contar sobre a instituição Gabinete desde os seus primórdios, passando pela composição sociológica das gerações de migrantes portugueses que fizeram e ainda compõem os corpos sociais desta entidade ao longo dos seus 156 anos, algumas referências aos grandes personagens da literatura, filosofia, história e política que por ali têm passado – com destaque e reverência para os grandes dignitários e para o filósofo Agostinho da Silva.

Falamos também da influência e penetração do Gabinete junto dos vários setores sociais, intelectuais e acadêmicos (sobretudo baianos e portugueses), mas também do esforço e resiliência totalmente voluntários, na manutenção de uma entidade secular, com tão poucos recursos.

Neste quesito, além de evidenciarmos as necessidades de se obter financiamento célere para se colmatar evidências de reparo urgente, comentamos também a receptividade positiva por parte do grande público, sobre as nossas redes sociais, tanto no que é o DNA natural do Gabinete “leitura em português para formar indivíduos”, que se traduzem em milhares de visualizações dos artigos que vão sendo publicados no nosso blogue, como pela aceitação pública de novos projetos, como é exemplo a Rádio Nova da Língua Portuguesa, projeto que pretende divulgar os vários sotaques e sonoridades de pessoas falantes em português ao redor do planeta, dando privilégio à música, como instrumento universal de comunicação e assimilação.

Da sua visita pela cidade de Salvador, sentiram-se profundamente tocados por uma missa que presenciaram na Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, pela forma como foram recebidos na Casa do Rio Vermelho, pela essência do que é a vida nos subúrbios da grande Salvador, além de terem ficado bastante sugestionados com as condições em que resiste o Gabinete Português de Leitura da Bahia.

Sobre os visitantes:

Mariana Correia Pinto é jornalista do diário português o Público, fez parte da equipa fundadora do P3, desenvolveu durante um ano, um projeto no Facebook em parceria com o fotojornalista Manuel Roberto “Porto Olhos nos Olhos”. e publicou o livro “Porto última Estação”, editado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Miguel Carvalho é jornalista na Revista portuguesa Visão, tendo já passado pelo “Diário de Notícias” e pelo semanário “O Independente“, é autor, até à data, de 6 livros

Eis algumas das fotos da sua passagem pelo Gabinete a 31 de janeiro de 2020.

Visita Guiada do Colégio Horácio Pires de Lima, da cidade de Miguel Calmom

By | Apoio a formação, Eventos | No Comments

Na tarde de quinta-feira, o Gabinete recebeu a visita dos alunos que frequentam o 9º ano do ensino fundamental no Colégio Horácio Pires de Lima, município de Miguel Calmon (município de cerca de trinta mil habitantes, localizado na região da chapada-norte baiana e situado a cerca de 360 quilômetros a noroeste da cidade de Salvador).

Os alunos – acompanhados do Diretor e de mais três docentes do dito Colégio – mostraram-se entusiasmados com a descoberta do estilo arquitetônico do edifício do Gabinete, tal como, da exposição de miniaturas navais (com embarcações à escala, que mostram parte da aventura humana na evolução naval dos últimos seis séculos, inclusive, com algumas réplicas de navios que entraram recentemente para a história contemporânea).

Apesar da faixa etária e do nível de escolaridade do grupo de estudantes, emergiram perguntas muito assertivas e pertinentes, tais como “qual foi o propósito dos fundadores na criação do Gabinete?”, “qual a importância do Gabinete no desenvolvimento cultural em Salvador?”, “quais são as fontes de financiamento da instituição?” etc.

Eis o link para a reportagem fotográfica completa desta visita: https://photos.app.goo.gl/5S24QLk4YYPLReSq7

Aos poucos, fomos respondendo que, o Gabinete foi criado em 1863 com a finalidade de constituir-se como polo de desenvolvimento da cultura e da língua portuguesa na Bahia e, que, como corolário do que as várias gerações de pessoas (que por aqui têm passado) conquistaram, temos o privilégio de terem estado aqui presentes, os maiores nomes da cultura e da língua em português de todos os continentes.

Rematamos as perguntas, informando que, apesar de toda a Direção do Gabinete se dedicar de corpo e alma à instituição – de forma totalmente voluntária – os únicos rendimentos regulares que o Gabinete dispõe, são parcos, e vêm de um estacionamento numa das laterais do edifício e das cotizações dos seus sócios.

Pedimos a ajuda daqueles estudantes na divulgação das ações do Gabinete, porque, como a instituição precisa de restauro urgente em algumas das suas áreas físicas, toda a ajuda é imprescindível para que, mesmo que só se obtenha pouco, pelo menos que esse pouco seja o suficiente para, por exemplo, consertar o telhado ou, consertar um dos seus pisos, ou…

Apresentamos também um resumo sobre aventura da raça humana e a evolução, em conjunto com essa viagem, das nossas raízes linguistas, desde os nossos primórdios africanos, a passagem física para o oriente médio e a colonização subsequente da raça homo sapiens, por todo o planeta e -milênios mais tarde – a consequência direta da expansão marítima, tanto no reencontro de todos nós e de todas as nossas experiências, como na evolução do índice de desenvolvimento humano à escala planetária.

Alertamos que – como a ciência sobejamente já provou – atualmente não existem outras raças humanas além da nossa [homo sapiens], apesar de vulgarmente alguns verbalizarem a existência de “raça negra” ou “raça branca” [ou..]. As diferenças visíveis de cor de pele, cabelo, cor dos olhos ou de um outro detalhe físico [por exemplo, nariz, tipo achatado ou olhos em bico], só retratam a adaptação do corpo humano à exposição solar e à temperatura ambiente, ou seja, que caso se deparem com alguma manifestação racista (ou de qualquer outra forma de segregação), que entendam de imediato que essa demonstração só evidencia, por parte de quem a emitiu, falta de conhecimento e de caráter (no mínimo).

Alunos de Literatura Portuguesa da Universidade Católica do Salvador no Gabinete

By | Apoio a formação, Eventos | No Comments

Na passada quarta-feira, dia 20 de novembro, o Gabinete recebeu os alunos das disciplinas de Literatura Portuguesa da Universidade Católica do Salvador, acompanhados da respectiva professora, a Doutora Lícia Margarida de Oliveira.

Eis o link para a reportagem fotográfica completa desta visita:https://photos.app.goo.gl/ZRux1ECExMTk6Xmy5

Seguindo uma sugestão da Dra. Lícia, fizemos alguns comentários a escritores portugueses, com predominância em Luís Vaz de Camões e em Eça de Queirós, para que aqueles visitantes ficassem enquadrados no tempo, e assim, com essa explanação, evidenciarmos ainda mais o porquê de considerarmos estes autores, gênios universais, além do que é comum aflorar-se.

Assim, a nossa abordagem a cada um deles, começou por privilegiar o enquadramento histórico (com incidência na parte econômica e social) de cada época, onde se inseriam.

Sobre Camões, além do caráter épico da obra “Os Lusíadas”, salientamos o facto de este autor (entre os grandes poetas da literatura clássica universal), ter sido o único a ter vivenciado os “quatro cantos do mundo” e que, talvez por isso, a sua obra seja tão rica, universal e intemporal. Deste poeta da universalidade – que viveu numa era de divisão formal do mundo entre Portugal e Espanha, e onde o latim era a língua oficial erudita – destacamos que, com “Os Lusíadas”, Camões conseguiu elevar a a língua portuguesa a um patamar, como poucas.

Abordamos também a condição financeira precária (que sempre rodeou Camões), o caráter de crítica social e política visíveis na sua obra, mas destacamos que, em toda a sua obra, o amor é o sentimento constante e permanentemente exaltado.

Expomos também Eça de Queirós, ao cenário político e social que o antecedeu [sobretudo com as diversas crises que assolaram Portugal desde o terramoto de 1755, passando pelas invasões espanholas e francesas e a guerra civil]. Continuamos, afirmando que em Eça, há uma permanente caricatura aos ambientes sociais, intelectuais e políticos, temperada com um humor satírico, com especial incidência em Os Maias.

Destacamos que, o imenso talento e visão literária deste gênio da literatura (conhecido em todo o mundo por obras como ‘O Crime do Padre Amaro‘, ‘Os Maias‘ ou ‘O primo Basílio‘), criou o “português moderno”.

Por último, terminamos com alguns comentários (com enquadramento) a outros autores portugueses contemporâneos, como são exemplo José Saramago e walter hugo mãe.

PORTUGUESES DE PAPEL

By | Agenda, Destaques, Eventos, Projetos | No Comments

Personagens Portuguesas da Ficção Brasileira

No passado dia 9 de outubro, a sala Agostinha da Silva do Gabinete Português de Leitura da Bahia, pareceu muito pequena em face dos seus ilustres convidados

Estava a acontecer a 7ª Jornada Regional sobre Personagens Portuguesas da Ficção Brasileira “Portugueses de Papel”.

Logo no início da página do projeto, podemos ler:

Não faltando razão a Ortega y Gasset(1) ao afirmar que o colonizador europeu se tornou um homem novo quando se fixou no Novo Mundo, posto que a adaptação a um ambiente diferente e a um novo tipo de sociedade e de economia, assim como o contacto com outros grupos humanos e outras culturas experiências, fatalmente o modificaram, são, sem dúvida, profundas as diferenças que, bem cedo, o separaram das populações locais. No caso português, chamam a atenção os aspectos que já no período colonial distinguiram, e até mesmo opuseram, reinóis e mazombos.”

A figura do português emigrado para o Brasil, desde a colonização até à atualidade, tem sido amplamente estudada pela História e pela Sociologia. Tais estudos indicam, com frequência, uma polarização entre a figura do colonizador rico e explorador, que, por vezes, regressa à terra natal, e a do português pobre e rude, que se foi integrando nas camadas subalternas da sociedade brasileira. Embora se saiba que, desde sempre, a ficção brasileira inclui numerosas personagens portuguesas, o mais das vezes «emigradas» para o território americano, parte integrante de Portugal até à declaração de Independência do Brasil – ocorrida a 7 de setembro de 1822 – não se encontram, até ao momento, estudos aprofundados e abrangentes sobre o assunto.

Assim sendo, o Grupo de Investigação 6 do CLEPUL(2) e a Cátedra Infante Dom Henrique, do mesmo Centro, criaram um projeto que visa levantar e estudar as personagens da ficção brasileira que, nascidas em Portugal, transitaram temporária ou definitivamente para o território brasileiro, antes ou depois da separação do Brasil do Império colonial português. O objetivo principal deste projeto é a construção de um dicionário online com verbetes em que se analisa a representação das personagens portuguesas na ficção brasileira.

Sob a Coordenação Geral dos professores doutores Vania Pinheiro Chaves (CLEPUL), Ana Maria Lisboa de Mello (PUCRS), Jacqueline Penjon (Sorbonne Nouvelle) e Tania Martuscelli (University of Colorado), o dicionário em causa integra uma Comissão Científica formada por numerosos especialistas na matéria e congrega uma ampla equipe de pesquisadores pertencentes a diversas Instituições e Universidades nacionais e estrangeiras.

O público manifestou um interesse acrescido nas apresentações e representações desses “Portugueses de Papel, na produção romanesca brasileira da sua origem até à atualidade.

Eis o link para a reportagem fotográfica:https://photos.app.goo.gl/WxW1QJ11XahFdg6T9

Boas-vindas aos novos sócios do Gabinete

By | Agenda, Destaques, Iniciativas | No Comments

Passava pouco das 9 horas da manhã de um sábado (21 de setembro), quando o Presidente em exercício do Gabinete Português de Leitura da Bahia (Abel Travassos), deu início ao discurso de boas-vindas aos novos sócios da entidade.

Clique aqui, para ir para a reportagem fotográfica do evento


O disco solar brilhava sobre o céu da cidade de Salvador, a Praça da Piedade vivia o seu reboliço natural das manhãs de sábado, mas, dentro do Edifico do Gabinete, a atenção e a expectativa eram regra.


Além do Presidente, dos novos sócios e seus familiares, estavam também presentes os funcionários, Vice-Presidente e alguns Diretores da instituição.
Ali, os discursos proferidos pelo Presidente, Vice Presidente (Luis Guilherme Pereira) e Diretor de Cultura (António Cunha), foram no sentido de evidenciar o prestigio e a responsabilidade de sermos sócios de uma instituição como esta, ilustrar a importância do Gabinete no contexto histórico de defesa da cultura e da língua portuguesa na Bahia ao longo do tempo, enquadrar as várias personagens ilustres que por ali passaram, enumerar os diversos projetos que estão a acontecer e, de outros, que se preveem que ocorram num futuro próximo, sem esquecer de enumerar as dificuldades e as necessidades atuais.


Fez-se uma visita guiada às instalações, que teve como ponto máximo, a interpretação musical ao Piano, de autores clássicos, por um desses novos sócios.


Graças também a eles, a cultura e a língua portuguesa passaram a contar com mais alguns defensores entusiastas.

Homenagem à “Santa Dulce dos Pobres”

By | qq coisa | No Comments

A Direção do Gabinete Português de Leitura da Bahia presta assim, de forma singela, a sua homenagem à canonização do anjo bom da Bahia, pelo Papa Francisco.

Segundo o expresso no livreto da cerimônia no Vaticano, “A sua dedicação aos pobres tinha raiz sobrenatural“, sendo-lhe atribuídos dois milagres. Também nesse mesmo livreto, é afirmado que a “Irmã Dulce concretizou plenamente a sua ação caritativa com a fundação de uma associação de obras sociais e a construção de uma casa de acolhimento, o ‘Albergue Santo Antônio’“, além de que, a “Sua caridade era maternal, carinhosa. A sua dedicação aos pobres tinha uma raiz sobrenatural e do Alto recebia forças e recursos para dar vida a uma maravilhosa atividade de serviço aos últimos“.

Além da primeira santa de origem brasileira – a “Irmã Dulce” – foram canonizados outros quatro beatos: o britânico John Henry Newman, a italiana Giuseppina Vannini, a indiana Mariam Thresia Chiramel Mankidiyan e a suíça Marguerite Bays.

A cerimônia solene foi realizada na praça de São Pedro, na Cidade do Vaticano, com a presença de numerosos bispos, arcebispos e cardeais, assistida por autoridades dos cinco países, entre eles o príncipe Charles (herdeiro do trono britânico), o presidente da Itália (Sergio Mattarella) e, obviamente, por diversas autoridades de diversos poderes do Brasil, além de numerosos jornalistas e fiéis devotos

Maria Rita de Sousa Brito Lopes Pontes, nasceu em Salvador da Bahia em 1914 e dedicou sua vida a servir os pobres e os mais necessitados.

Depois de concluir a sua formação acadêmica de nível superior, ingressou como noviça na Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, desenvolvendo o seu trabalho, sobretudo como enfermeira e professora.

Em Salvador, desenvolveu um intenso trabalho social, tendo ajudado a fundar hospitais de caridade e construído uma das maiores obras de assistência social gratuita do país. Conhecida como “anjo bom da Bahia“, ela faleceu aos 77 anos.

A Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus foi fundada em 1910, em Santarém, Pará, Brasil. O principal objetivo, na fundação, foi o serviço ao povo da Amazônia, através da educação da juventude e de crianças órfãs.

A Congregação logo se expandiu por vários Estados do Brasil. Em decorrência dessa expansão, a Congregação internacionalizou-se, deparando-se com diversos aspectos culturais diversos às quais as Irmãs teriam que inculturar-se, mas conservando-se fiéis às suas identidades de Missionárias da Imaculada Conceição, de acordo com a Regra Franciscana.

Atualmente, a Congregação está presente nos quatro Continentes: Americano, Europeu, Asiático e Africano.