Fuga da Família Real para o Brasil – 29 de novembro

24 de novembro de 2017 Destaques, Iniciativas

Em 29 de novembro de 1807, a corte portuguesa deixou Portugal devido à invasão orquestrada por Napoleão Bonaparte.

A “fuga para o Brasil” foi o resultado de uma estratégia para escapar à invasão francesa e manter tanto a aliança com os ingleses, e a cada de Bragança continuar a governar o império português.

Enfim, em 22 de janeiro de 1808, depois de passarem 54 dias no mar, a Família Real e toda sua comitiva desembarcaram no Brasil, especificamente em Salvador. Eles foram recebidos pelo conde da Ponte, o governador da Bahia, com muita comemoração e alegria.

A chegada da Corte portuguesa a Salvador, foi fundamental para a transformação da vida dos baianos da época.

Ilustração 1 – Vista da Baía de Todos os Santos, de G. Scharf

Ilustração 2 – Chegada de D. João à Bahia, de Cândido Portinari

O pouco tempo que passou na Bahia/Salvador, não impediu que D. João, o Príncipe Regente, tomasse decisões importantíssimas para o desenvolvimento da região: a 28 de janeiro de 1808 assinou a Carta Régia, decretando a abertura dos portos do Brasil às nações amigas; logo depois em 16 de fevereiro, criou a Escola de Cirurgia, que mais tarde se tornou Faculdade de Medicina do Estado e autorizou a criação da primeira Biblioteca Pública do Brasil que veio a ser inaugurada a 13 de maio de 1811.

Depois de Salvador, D. João e sua comitiva seguiram para o Rio de Janeiro no dia 08 de março de 1808 onde foi instalada a sede do governo. Ali, tal como em Salvador, D. João tomou outras decisões, que também acarretaram mudanças na atual colônia: criou o Banco do Brasil, a Casa da Moeda, fundou a Real Biblioteca entre outras.

Fonte:
A Bahia na época de D. João: a chegada da corte portuguesa, 1808 / [textos, Maria José de Souza Andrade, Sylvia Menezes de Athayde ; fotografia, Sergio Benutti]. Salvador : Museu de Arte da Bahia : Solisluna, 2008.
MATHIAS, Herculano (org.). História do Brasil. Rio de Janeiro: Bloch, 1976.